Lições aprendidas

Como nasceu o livro

Por alguns anos trabalhei ativamente como instrutor de cursos de Gestão de Projetos, desde o básico até o preparatório para o PMP*. Achava divertida aquela rotina do metrô, da padaria perto da Paulista e da surpresa de encontrar pessoas completamente desconhecidas a cada semana.

O processo era sempre o mesmo, na segunda-feira todos sérios, na sexta-feira éramos amigos para sempre. E muitas daquelas amizades mantenho até hoje, com o maior carinho.

Depois de um tempo comecei a perceber um padrão, as pessoas reclamavam sempre das mesmas coisas, independente de sua área de trabalho. Quando estudávamos a literatura, as discussões acaloradas sobre a prática e a troca de experiências também se afunilavam em alguns poucos temas. Curioso que sou, percebi ali uma oportunidade: Já que todos erramos as mesmas coisas, o que vai acontecer se eu contar os erros para todo mundo?

Pois é exatamente isso que quero descobrir agora 🙂

* PMP vem da sigla Project Management Professional, em português: Profissional de Gestão de Projetos. É uma certificação internacionalmente reconhecida, que atesta tanto conhecimento quanto a experiência do profissional no gerenciamento das equipes, aquisições e documentações dos projetos.

Perfil dos alunos

Muita gente acredita que Gestão de Projetos tem a ver com TI (Tecnologia da Informação), esqueça! Nos cursos que participei, encontrei pessoas das mais diversas áreas. Por exemplo: ministrei treinamentos para profissionais das áreas de saúde, agricultura, finanças, siderurgia, transportes, telecomunicações, indústria automobilística, maquinário industrial, energia etc.

Nos cursos básicos, em geral, vinham pessoas buscando a posição de gestor, geralmente analistas. Nos cursos de MS-Project, muita gente de engenharia e arquitetura. Nos cursos de liderança, gente de toda parte. E por fim, no Preparatório para o PMP, profissionais experientes, com muito conteúdo para compartilhar. Devo admitir que mais aprendi do que ensinei. Ser um hub de experiências de tantas pessoas nos ajuda a entender melhor as idiossincrasias do mundo dos projetos.

Espero, portanto, que esse livro ajude a difundir esses erros comuns e a evitá-los, para que novos surjam e nossa capacidade de realização de projetos cresça exponencialmente.

Um abraço e muito sucesso a todos,

Eli Rodrigues